Translate

terça-feira, 20 de setembro de 2016

O AMOR DE DEUS


O amor de Deus

O que é o amor? O poeta lusitano Camões (1524) afirma: “amor é fogo que arde sem se ver / é ferida que dói, e não se sente; / é um contentamento descontente, / é dor que desatina sem doer”. O poetinha, Vinícius de Moraes (1913-1980), afirma: “eu possa me dizer do amor (que tive): / que não seja imortal, posto que é chama / Mas que seja infinito enquanto dure” (Soneto da Fidelidade). O grande problema dessas definições é que elas privilegiam a intensidade. Amor verdadeiro é reconhecido pela maneira como ele é vivido.

As pessoas mundanas acreditam que o amor é um pretexto para todos os vícios sejam aceitos e legitimados. O amor, que é validado pelas extravagâncias e excessos, tende a acabar e o que valerá dele é apenas a intensidade de suas exigências. Quantos cônjuges legitimam o adultério nessa visão promíscua de amor? Quantos jovens entregam-se à prostituição e às drogas e a toda sorte de inconveniências em nome de uma felicidade que é recompensa dessa maldita intensidade. Inúmeras pessoas cometam os maiores erros de suas vidas quando acreditam que o melhor da vida é a vida que se leva.

Comumente, o senso-comum, gosta de, aventurando-se na língua grega, distinguir três tipos de amor. No grego antigo, existem três palavras para expressar amor: o amor eros (ἔρως), o amor romântico (esse verbo não é utilizada pelos autores bíblicos), entre os sexos; o amor fileo (φιλέω), amizade e o amor agapao (ἀγαπάω), a fraternidade, distinguindo esse último como mais importante e exclusivo do cristianismo, por isso, o Padre Marcelo Rossi afirma: “ágape é uma palavra de origem grega que significa amor divino, o amor de Deus pelos seus filhos e ainda o amor que as pessoas sentem umas pelas outras inspiradas nesse amor divino”. Contudo o verbo agapao (ἀγαπάω) é utilizado é utilizado para indicar o amor, nada divino, de Amnom por sua irmã Tamar (2Samuel 13.4).

Carson chama esse problema de falácia por causa de problemas envolvendo sinônimos e análise de componentes. Essa falácia se estabelece na “crença injustificada de que ‘sinônimos’ são idênticos de formas mais variadas do que a evidência permite”[1].

Carson dá cinco razões para entendermos a complexidade do amor nas Escrituras[2]:

·         Porque muitas vezes atribui-se a Deus uma amor humano e não aquele que está firmado na Bíblia;

·         Porque as pessoas têm dificuldade em entender um amor que disciplina e age de maneira justa;

·         Porque o amor no ocidente tem se enveredado por caminhos pluralistas, sincréticos e pautados pelo sentimentalismo;

·         Porque Deus não tem sentimentos como nós;

·         Porque o amor que as pessoas acreditam geralmente é aquele que faz “vistas grossas” para as dificuldades alheias.

1. O amor é um ato singular

O amor de Deus não é um sentimento, mas um ato pelo qual não legitima todas as mazelas do seu povo, tampouco para fazer “vistas grossas”, mas o cumprimento da promessa feita e Gênesis 3.15, onde, em resposta ao pecado de nossos primeiros pais, ofereceu a maravilhosa esperança do Redentor – Jesus Cristo.

João mostra que esse amor é singular (οὕτω), porque o Pai deu (ἔδωκεν) seu filho unigênito. Ao enviar seu filho unigênito ao mundo o faz sabendo que no fim haveria de esmaga-lo, fazendo enfermar, oferece-lo como oferta do pecado a fim de que tenhamos a vida eterna (Isaías 53.10). Dar o Unigênito implica esvaziar-se de sua glória, assumir a forma de um servo, humilhar-se tomando a cruz (Filipenses 2.7,8) sendo semelhante ao homem em todas as coisas, exceto no pecado (Hebreus 4.15).

2. O amor é condicionado a crer em Jesus

Esse incrível e imerecido presente não foi dado a todos, porque há um condicionante para esse termo (πᾶς): “aquele que nele crê” (ὁ πιστεύων). Dessa maneira, Jesus não veio para todos sem restrição (como imaginam os universalistas), mas exclusivamente àqueles que creem. Esse grupo específico que a Bíblia chama de eleitos (Efésios 1.4) não são, de maneira alguma melhores que os demais, pois Paulo afirma aos Romanos (5.8): “Deus dá prova do seu amor para conosco, em que, quando éramos ainda pecadores, Cristo morreu por nós”.

Jesus não morreu por justos, mas por injustos, contudo que foram escolhidos, desde antes da fundação do mundo (Efésios 1.4) pela misericórdia divina. Geralmente, algumas pessoas, veem essa maravilhosa graça e começam a apontar essa e aquela pessoa que também deveria ser agraciada com essa bênção eterna, todavia esse pensamento está errado, porque deveríamos nos questionar: “por que eu fui escolhido, apesar de meus muitos pecados?”.

Entretanto a Palavra deixa claro que a fé salvadora não é uma qualidade inata, mas é um dom de Deus (Efésios 2.8), o próprio João afirma que “ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou não o trouxer (o termo ἑλκύω, usado aqui, transmite a ideia de trazer de arrasto) (João 6.44). Dessa maneira, somente os eleitos crerão e buscarão o Senhor de maneira fiel e o adorarão em “espírito e verdade” (João 4.24).

Dessa maneira João afirma em seu prólogo: o Verbo estava no mundo, o mundo foi feito por intermédio dele, mas o mundo não o conheceu. Veio para o que era seu (o próprio povo judeus conforme Romanos 9.5), e os seus não o receberam. Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus” (João 1.1-13)

3. O amor de Deus nos dá a vida eterna

A grande dádiva advinda desse amor de Deus em Jesus está em primeiro não ser destruído, pois esse é a justa punição daqueles que não crerem em Jesus, porque amou mais a essa vida e as coisas desse mundo do que ao seu Redentor (João 12.25). Todavia, aquele que tem por somenos as coisas mais preciosas desse mundo caído, porque viu o reino de Deus, necessariamente, nasceu de novo, da água e do Espírito (João 3.3,5). Um exemplo esta nos dois ladrões da cruz: ambos estavam diante do mesmo Jesus Cristo, contudo um deles viu mais que um homem crucificado (veja 23.39-43):

·         Entende que é um pecador (arrependimento): “nós, na verdade, com justiça, porque recebemos o castigo que os nossos atos merecem” (Lucas 23.41);

·         Entende que Jesus é justo: “mas este a nenhum mal fez” (Lucas 23.41);

·         Viu mais que um condenado, mas o Rei: “Jesus, Lembra-te de mim quando vieres no teu Reino”. Isso aconteceu, porque recebeu a capacidade de ter certeza das coisas que se esperam e a certeza de fato que não se veem. Isso é a fé salvadora (Hebreus 11.1). Esse homem, diferente de seu colega, nasceu para uma nova vida, assim como angariou o outro benefício de crer em Jesus: receber a vida eterna: “em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso” (Lucas 23.43).

De fato Deus é amor (1João 4.8), contudo esse amor é visto de forma flagrante na cruz do calvário (1João 3.16). Esse amor não é dado de forma irresponsável e sem exigência alguma, mas exige tudo o que somos. Não podemos usufruir desse amor singular de Deus sem rompermos com o mundo e seus falsos atrativos e buscarmos exclusivamente o Senhor e sua glória. Os benefícios em crer em Jesus está em não morrer eternamente (Mateus 10.28) e viver eternamente com Deus.



[1] CARSON, D.A. Os perigos da interpretação bíblica. São Paulo: Vida Nova, 2001, p. 47.
[2] CARSON, D.A. A Difícil doutrina do Amor de Deus. São Paulo: CPAD, 2012, p. 9-16.

sábado, 17 de setembro de 2016

A FRAGILIDADE DESSA VIDA


A FRAGILIDADE DESSA VIDA



Essa semana nosso pais parou consternado devido à morte trágica do ator Domingos Montagner (1962-2016). Diante dessa triste realidade, longe das Escrituras a única maneira de avaliar a vida é como Shakespeare (1564-1616) “A vida é sombra passageira. Um pobre ator que chega, agita a cena inteira, diz seu papel e sai. E ninguém mais o nota. É um conto narrado por um idiota, Cheio de sons, de fúria e não dizendo nada” (Macbeth, Ato V, cena V).

A consternação das pessoas está em perceber quão frágil é a vida, quão fútil é a maior parte de nossos projetos e incompreensíveis muitos dos eventos que se amontoam freneticamente em nossas histórias. Se olharmos para essa tragédia com olhos mundanos, fatalmente, tomaremos a via do ceticismo. A única maneira de não sermos esse ator irrelevante, dirigido por um idiota é entendermos que o texto de nossa existência foi escrito pelo Criador de tudo e tudo está no controle de sua sábia e imutável vontade.

Calvino afirma: “por mais que ao homem, com sério propósito, convenha volver os olhos a considerar as obras de Deus, uma vez que foi colocado neste esplendíssimo teatro para que fosse seu espectador, todavia, para que fruísse maior proveito, convém-lhe, sobretudo, inclinar os ouvidos à Palavra” (Intitutas, Livro I, Cap. IV, p. 79).

Apenas as poderosas lentes da Palavra podem corrigir nossa míope perspectiva sobre a vida. O homem tem a inclinação de vê-la como maior do que realmente é, assim como, supervaloriza-la. A Bíblia afirma que a vida do homem é como a erva que pela manhã viceja e floresce, mas à tarde é cortada e seca (Salmo 90. 5,6), assim como, o resumo dessa biografia é canseira e enfado (Salmo 90.10). Contudo somos condicionados a acreditar que a vida humana segue um ciclo natural e nada pode impedir isso. Os deístas acreditavam dessa maneira: o Senhor criou leis e nem Ele pode

mudá-las, ou seja, Deus pode existir, mas jamais ser providente. Contudo é certo que dirige, coverne e sustém todoas as coisas desde a menor até a maior (CFW 5,1).

Mas e quando as coisas não saem dessa maneira como imaginávamos? Quando esse ciclo natural de nascer, crescer se reproduzir e morrer é quebrado tragicamente? A consternação é geral e completa. Por exemplo, a mesma teledramarturgia, em que atuava Domingos Montagner (“Velho Chico”), perdeu um ator, Umberto Magnani, aos 75 anos vítima de um acidente vascular encefálico (AVE) que não teve a mesma proporção, tampouco a mesma carga sentimental. Domingos, no imaginário popular, ele é aquele que morreu cedo (54 anos) no campo de batalha, a própria imagem do herói. É perfeitamente compreensível que um idoso morra (mesmo que provoque tristeza), mas um jovem em circunstâncias trágicas é inadmissível. É perfeitamente admissível que nos entristeçamos, mas sempre pelo prisma da esperança que temo em Cristo (1Tessalonicenses 4.13).

Quando olhamos para a realidade da morte pela sabedoria advinda do homem, no máximo iremos, ao niilismo (nada tem valor e, por isso, tudo é permitido). Entretanto, quando lha avaliamos pela Palavra vemo-la como a consequência do pecado (nossos primeiros pais comeram do fruto proibido – Gênesis 2.16,1) e a solução para esse terrível mal é Jesus Cristo (Romanos 5.12). Obviamente, inúmeras vezes, ficamos perplexos e sem todas as respostas que gostaríamos, mas vivemos para glorificarmos a Deus e nos alegramos nEle para sempre e não para entender todas as coisas. Essa nem é o objetivo da Palavra (Veja Deuteronômio 29.29), antes o que o homem deve crer acerta de Deus e o que Ele requer de nós (pergunta 5 do CM)

Dessa maneira, quando Jesus é o bem mais precioso que temos, viver para nós é Cristo e morrer é lucro (Filipenses 1.21) e, por isso, não buscamos tesouros nessa vida, mas na vindoura onde não seremos frustrados pela ação das traças, da ferrugem ou da astúcia de ladrões (Mateus 6.19-21).

Perceba que Domingos, homem forte, professor de educação física, bom nadador, estava tentando percorrer o Rio São Francisco com a atriz Camila Pitanga teria mais condições que ele de lograr êxito. Ambos poderiam morrer, contudo ela sobreviveu e ele não, porque o dia de nossa morte não é uma mera consequência da ação de vírus, parasitas e bactérias ou da ação de adversidades naturais, mas da ação soberana de Deus. O rei Ezequias estava para morrer, mas o Senhor lhe concede mais quinze anos de vida (2Reis 20.6).

Domingos e Camila percorriam o rio estavam cumprindo um trabalho, divertiam-se e tinham planos, mas apenas um deles saiu com vida daquelas águas. Tiveram tempo para pensar em suas vidas? Nenhum deles queria morrer, mas viver e viver. Nunca haverá tempo para pensarmos em nosso Senhor, pois as águas vorazes da vida podem ceifar, segundo a vontade divina, qualquer pessoa a qualquer tempo.


sexta-feira, 2 de setembro de 2016

A terrível insubmissão


A terrível insubmissão



“Ouvi, ó céus, e dá ouvidos, ó terra, porque o SENHOR é quem fala: Criei filhos e os engrandeci, mas eles estão revoltados contra mim” (Isaías 1.2).

O que você acha de pais abandonados por seus filhos? Se existe algo triste são pais que dedicaram toda uma vida na criação de seus filhos e, no momento em que mais precisam, na velhice, veem-se abandonados como trapos velhos sem valor. Não é à toa que honrar pai e mãe seja o primeiro mandamento com promessa: o prolongar dos dias sobre a terra (Efésios 6.2; Deuteronômio 5.16). O pecado do coração humano, cada vez mais, comprova a sabedoria popular de que um pai e uma mãe cuidam de dez filhos, mas esses tais não são capazes de cuidar de um pai ou uma mãe.

Isaías, profeta do século VIII a.C., começou seu ministério no ano da morte do rei Uzias (Isaías 6.1 em 722 a.C. quando tinha 22 anos) e, depois, atuou nos reinados de Jotão, Acaz e Ezequias e foi morto em 690 a.C. durante o reinado de Manassés, de quem, segundo a tradição, foi prisioneiro, sendo serrado no meio de um tronco oco de árvore (o autor de Hebreus faz alusão a esse fato em Hebreus 11.37).

O seu ministério profético foi duro, porque foi enviado pela Trindade da seguinte maneira: vai e dize a este povo: Ouvi, ouvi e não entendais; vede, vede, mas não percebais. Torna insensível o coração deste povo, endurece-lhe os ouvidos e fecha-lhe os olhos, para que não venha ele a ver com os olhos, a ouvir com os ouvidos e a entender com o coração, e se converta, e seja salvo” (Isaías 6.9,10).

Esse povo que não entenderia , tampouco perceberia, mas  seria duro e insensível era muito semelhante aos fariseus dos dias de Jesus, pois, igualmente, praticava uma religiosidade superficial e profundamente legalista, cujo maior objetivo era agradar aos homens e não ao Senhor (João 12.39-43). Esse povo continuava a trazer ofertas, a se reunir nas luas novas, mas eram vãs e abomináveis, porque esses atos de adoração não vinham de um coração fiel (Isaías 1.13) tal como a participação da Ceia do Senhor (1 Coríntios 11.29,30).

A relação desse povo com o Senhor era tão repugnante que o Criador afirma: “Quando estenderdes as vossas mãos, esconderei de vós os meus olhos; e ainda que multipliqueis as vossas orações, não as ouvirei; porque as vossas mãos estão cheias de sangue” (Isaías 1.15). O culto não os transformava, pois eram homicidas (veja Isaías 1.21)

Os primeiros receptores da mensagem de Isaías deveriam entender que a relação que tinham com o Senhor era semelhante a relação de um pai para com um filho. Deveriam entender que a providência divina os tinha criado e lhes engrandecido, por isso, assim como um filho deveriam responder com obediência e gratidão. Deus, definitivamente, não é o pai velhinho abandonado, mas o Deus soberano, que, apesar de seu poder e glória, por amor e misericórdia, relaciona-se com seu povo. Esse dado deveria nos encher de maior temor, porque se, abandonar os pais seria algo errado, abandonar o Senhor (não reconhecendo sua providência) seria um erro maior ainda, porque a lei e os profetas dependem do amor a Deus com todo o coração, toda a alma, todo o entendimento e ao próximo como a ti mesmo (Mateus 22.37-40).
De maneira alguma somos filhos de Deus na mesma maneira que Jesus Cristo, mas, em Jesus, o filho unigénito, eternamente gerado do Pai, somos seus filhos adotivos (Romanos, 8.15; 9.4; Gálatas 4.5; Efésios 1.5). Dessa forma, fazemos parte da família de Deus (Efésios 2.19), sendo herdeiros de Deus e co-herdeiros de Cristo (Romanos 8.17). Entretanto, em nada, somos menos susceptíveis a nos revoltar contra o providente Senhor que nos assiste em sua misericórdia, por isso, “aquele que pensa estar em pé, olhe não caia” (1Coríntios 10.12).

Isaías mostra quão estúpida é essa relação superficial com o Senhor, pois compara o povo ao boi e ao jumento, que, apesar de irracionais, conhecem quem os alimenta, porém o povo não reconhecia que tudo o que possuía era proveniente da misericórdia do Senhor. Deus o havia tirado da escravidão egípcia com sinais miraculosos, deu maná e carne no deserto, fez a água jorrar da rocha e expulsou nações mais poderosas para que pudesse habitar na terra que corria leite e mel. Nós, por termos conhecido o cumprimento da promessa de Gênesis 3.15 em Jesus, temos infinitamente mais e, assim, seremos mais cobrados (Lucas 12.48).

Portanto, tomemos cuidado para não desprezarmos a providência de Deus e a íntima e transformadora relação com o Senhor por causa dos prazeres falsos dessa vida. Nossa vida só tem o devido valor quando glorifica o Senhor e se alegra nEle.

Por que a Bíblia nos é imprescindível?


Por que a Bíblia nos é imprescindível?


Na triologia, Piratas do Caribe, vemos que o pirata Jack Sparrow possui uma bússola, mas que, ao invés de apontar para o norte, como as demais, mostra para a direção dos seus desejos. Aquele que se guia pela voz do seu coração admite um instrumento falho e insuficiente para estabelecer o caminho seguro conforme Jeremias 17.9. Contudo, tal indivíduo, será como a perdiz que, na incapacidade de distinguir seus próprios ovos, choca os dos outros pássaros (Jeremias 17.11). Quando orientados pelos nossos desejos, não conseguimos discernir entre o certo e o errado e, sabendo que somos radicalmente depravados, assumiremos, naturalmente, a via que desagrada o Senhor.

Qual deve ser a bússola do cristão para se orientar sobre naquilo que crerá e como conduzirá sua conduta? A Palavra. Muitas pessoas poderão perguntar: quem deu essa autoridade às Escrituras Sagradas? Alguns argumentarão que a igreja, contudo Paulo afirma que ela própria está firmada sobre o fundamento dos Apóstolos e Profetas. Destarte entendemos que a Palavra tem autoridade auferida pelo próprio Deus e, por isso sua autoridade e infalibilidade existe antes da estrutura eclesiástica[1], porque o texto bíblico afirma toda a Escritura é inspirada por Deus”.

Calvino (1509-1564), o reformador de Genebra afirma:

Mui fútil é a ficção de que o poder de julgar a Escritura está na alçada da Igreja, de sorte que se deva entender que do arbítrio desta, a Igreja, depende a certeza daquela, a Escritura. Consequentemente, enquanto a recebe e com sua aprovação a sela, a Igreja não a converte de duvidosa em autêntica, ou de outro modo seria controvertida; ao contrário, visto que a reconhece como sendo a verdade de seu Deus, por injunção da piedade, a venera sem qualquer restrição[2].

Desde antigos tempos, se tinha a dúvida de o quanto da Bíblia deveria ser aceita. Podemos abolir o Antigo Testamento? O herege Marcião de Sinope (85-160), influenciado pelo dualismo gnóstico, “estabeleceu um contraste radical entre o Antigo e o Novo Testamento: o primeiro representa o reino deste mundo e a lei (retribuição); o segundo representa o reino celestial e o evangelho da (graça)”[3], por isso, entendia que “as Escrituras Cristãs deviam incluir somente o evangelho de Lucas e as cartas do Apóstolo Paulo às igrejas, sem as pastorais”. Essa é uma doutrina herética, porque Jesus, ao se encontrar com os discípulos “néscios e tardos de coração” para crerem em tudo o que os profetas disseram (Lucas 24.25), explicou os eventos da morte e ressurreição começando por Moisés e por todos os profetas (Lucas 24.27). Não é à toa que o teólogo Agostinho de Hipona (354-430) afirmava: “o Novo Testamento está escondido no Antigo e o Antigo é revelado no Novo”[4]. Dessa maneira, não temos textos ou partes da Bíblia que merecem aceitação, porque é toda, sem excessão, é inspirada por Deus.

Por “inspiração” (θεόπνευστος), transmite a ideia de expirar, soprar para fora, com esse termo “Paulo quer dizer que toda a Escritura é exalada de Deus”[5]. A inspiração é orgânica/dinâmica “o termo orgânico serve para acentuar o fato de que Deus não empregou os escritores mecanicamente, mas atuou neles de maneira orgânica, em harmonia com as leis de seu próprio íntimo”[6], ou seja, quando Pedro afirma que jamais a profecia teve origem na vontade humana, mas homens santos falaram da parte de Deus, orientados pelo Espírito Santo” (2Pedro 1.21) não está dizendo que as Escrituras Sagradas foram inspiradas de forma mecânica (como um psicografia espírita), mas de tal maneira que o Senhor usou o caráter, o temperamento, os dons, os talentos, instrução, cultura, dicção e estilo[7] dos Escritores bíblicos, entretanto “incitou-os a escrever; reprimiu a influência do pecado sobre sua atividade literária, e guiou-os na escolha de suas palavras e nas expressões de seus pensamentos”[8] (Lucas 1.1-4; 2 Pedro 3.16) Dessa maneira, a Bíblia não contém a Palavra de Deus (porque foi parcialmente inspirada ou seus autores humanos tiveram suas mentes inspiradas, mas não suas palavras), mas é a Palavra de Deus.

Dessa maneira, a Bíblia é, como Cristo, humana e divina, ou seja, é humana, porque foi escrita por homens e, por isso, foi escrita em um tempo, contexto, cultura, língua diferente da nossa. Diminuiremos essas distâncias com o estudo da Palavra recorrendo a comentários, dicionários e a professores. Contudo ela é divina, assim, é necessário a luz do Espírito Santo para crer na sua verdade. O teólogo Reverendo Augustos Nicodemus defende: “como Palavra de Deus, a Bíblia deve ser lida como nenhum outro livro, mas, tendo sido escrita por homens, deve ser interpretada como qualquer outro livro”. Apesar da complexidade de algumas páginas das Escrituras, é imprescindível que entendamos que aquilo que é suficiente para a nossa salvação é de fácil compreensão (veja Atos 4.13), o que a fé Reformada chama de doutrina da perspicuidade.

Hoje, não existe mais inspiração, pois a Palavra está completa e não de pode ir além daquilo que ela fala, tampouco acrescentar-lhe mais informação alguma (Gálatas 1.8,9; Apocalípse 22.18,19), mas a iluminação do Espírito Santo como Calvino, o Reformador de Genebra, afirma: é necessário que o mesmo Espírito que falou pela boca dos profetas penetre em nosso coração, para que nos persuada de que eles proclamaram fielmente o que lhes fora divinamente ordenado[9].

Aqueles que não creem na inspiração da Palavra a têm como mera abstração, uma produção literária que não tem valor para regrar nossas vidas. Quantas vezes você ouviu pessoas dizendo que a Bíblia precisa ser revista e se adequar a nossa cultura? Jesus diz que a sua Palavra jamais passará (Mateus 24.35), assim como todas as culturas terão acesso a sua doutrina, pois Jesus manda seus discípulos fazer discípulos em todas as nações. Não é a Bíblia que deve se adaptar a nós, assim como não é Deus que deve servir aos nossos intentos, mas, radicalmente, o contrário. É possível que não entendamos plenamente alguns textos das Escrituras, mas o problema não está nela, mas em nós e nas nossas limitações intelectuais.

Aqueles que creem na inspiração da Bíblia precisam tê-la como única regra de fé e moral, dessa maneira, nossas dúvidas em quem devemos crer, como cultuar a Deus ou como devemos proceder devem ser respondidas pela sabedoria divina da Palavra. Dessa forma, aquele que deposita na Bíblia possui um ganho, uma vantagem (ὠφέλιμος) diante daqueles que não creem, pois tem um instrumento seguro de ensino, repreensão, correção e instrução na justiça.

O ímpio perde em relação ao cristão, porque, confiando em seu coração, utiliza um instrumento falível e pouco confiável (Jeremias 17.9) ou a interpretação da vida que outros ímpios têm. Devido a graça comum às vezes conseguem resvalar na verdade, mas nunca se aprofundam nela com propriedade, porque toda verdade vem de Deus.

R.C. Sproul afirma:

Como criaturas caídas nós pecamos, erramos e estamos inerentemente deformados no que diz respeito à retidão. Quando pecamos precisamos ser repreendidos. Quando erramos, necessitamos de correção. Quando nos achamos deformados, devemos ser educados. As Escrituras funcionam como nosso principal repreensor, nosso principal corretor e educador[10].

Aquele que crê na inspiração das Escrituras e é submisso a sua pedagogia nela proposta, ou seja, passa pelo seu ensino, repressão, correção e educação na justiça tem mudanças na sua personalidade, porque o objetivo (ἵνα) da Palavra é a adaptação do homem de Deus aos padrões da Palavra que glorificam ao Senhor. Paulo mostra a Timóteo que o Cristão possui um antes e um depois em relação à Bíblia, pois antes de nossa conversão estávamos em total desacordo com a vontade divina, porque, como o Apóstolo dos Gentios afirma aos Efésios: “todos nós também caminhávamos entre eles, buscando satisfazer as vontades da carne, seguindo os seus desejos e pensamentos; e éramos por natureza destinados à ira” (Efésios 2.3). Perceba que o próprio Paulo se inclui nesse nefasto caminho mesmo imerso na extrema e radical do farisaísmo, mostrando que a mera religiosidade superficial não é capaz de agradar o Senhor.

O ímpio, destituído da Palavra iluminada pelo Espírito Santo, jamais observará as orientações da Revelação Específica a fim de se adequar à vontade daquele que o chamou da morte para a vida, por isso, apenas o homem de Deus (o convertido, o eleito) observará a santa doutrina e a servirá não com o intuito de ganhar nada, porque já foi agraciado com a salvação eterne com bênção sem medida advindas das mãos providentes do Criador, mas por gratidão por tudo o que recebeu e tem recebido.

Essa adaptação/habilitação (a ideia de perfeição nesse texto exposta no termo ártiosἄρτιος) do Cristão para com a Palavra deve ser percebida de forma prática, por isso, Paulo defende que, apesar de não sermos salvos pelas obras para não nos gloriamos diante de Deus (Efésios 2.9), somos feitura dele, criados em Cristo Jesus para boas obras, as quais Deus de antemão preparou para que andássemos nelas (Efésios 2.10). Tiago é mais enfático ao entender que a fé só pode ser vista e acompanhada pelas obras (Tiago 2.18) a ponto de afirmar: “a fé, se não tiver obras, por si só está morta” (Tiago 2.17). Portanto, vemos a adaptação do homem a vontade de Deus pelas boas obras que o homem só pode produzir adequadamente em consonância com os pressupostos bíblicos. João Batista adverte que existe um machado posto a raiz para cortar aqueles que não produzem frutos de arrependimento (Mateus 3.10).

A grande armadilha das obras está em querer angariar bens além morte (como pensam os espíritas que transformam a caridade em moeda de troca para bens futuros), contudo ninguém será mais salvo ou menos salvo pelas obras que praticou, porque esse não é o objetivo das obras. Outros querem, por meio delas, angariar bens temporais e o prestígio dos homens, contudo a Bíblia afirma que a mão esquerda não pode saber o que faz a direita, quando essa dá esmola (Mateus 6.2-4).

Portanto, quando alguém lhe perguntar qual a verdadeira bússola que é capaz de orientar a vida do homem. Saiba a Palavra é imprescindível, porque ela é exalada de Deus, oferece uma pedagogia infalível e é capaz de mudar nossa conduta.



[1] CALVINO. J. Institutas da Religião Cristã. São Paulo: Cultura Cristã, 2004, p.82 (L 1, Cap. 7)
[2] Ibidem, p.82.
[3] MATOS, A.S. Fundamentos da Teologia Histórica. São Paulo: Mundo Cristão, 2008, p. 39,40.
[4] Quaestiones in Heptateucum, 2,73.
[5] MAIA, H.M.P. A Inspiração e Inerrância das Escrituras: uma perspectiva Reformada. São Paulo: Cultura Cristã, 1998, p.96,97.
[6] BERKHOF, L. Manual de Doutrina Cristã. São Paulo: Cultura Cristã, p.37.
[7] Ibidem, 37.
[8] Ibidem, p.37.
[9] CALVINO. J. Institutas da Religião Cristã. São Paulo: Cultura Cristã, 2004, p.85 (L 1, Cap. 7)
[10] SPROUL, R.C. O Conhecimento das Escrituras. São Paulo: Cultura Cristã, 2003, p.24.

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Insensato coração


Insensato coração


Existe uma fábula infantil que conta a história do Homem Biscoito de Gengibre (Gingerbread). Essa fábula afirma que uma velhinha e seu marido estavam com muita fome e, por isso, ela fez-lhe biscoitos de gengibre. Como não tinham filhos, fê-los no formato da criança que quisera ter. Quando os foi tirar do forno, um deles pulou da assadeira e saiu correndo para não ser devorado. Esse biscoito corria depressa e ninguém podia pegá-lo, por isso, despistou a velhinha, um porco e uma vaca. Contudo ao se deparar com uma raposa tentou fugir dela, mas diante dele havia um grande rio. A felina sagaz, se fazendo solícita, disse que queria apenas ajuda-lo a atravessar aquelas grandes águas e lhe ofereceu a sua calda para, segurando nela, atravessar em segurança. Entretanto, durante o trajeto, disse que ele era pesado e sugeriu que viesse para suas costas. Depois, ainda queixando-se de seu peso, prometeu que ficaria melhor no seu focinho até que...! Acabou comido pela Ardilosa.

Esse conto infantil revela um problema que temos a vida toda: por que confiamos errado? Quantas vezes a sua confiança foi traída? Jeremias afirma que Maldito o homem que confia no homem, faz da carne mortal o seu braço e aparta o seu coração do SENHOR! (Jeremias 17.5) e Bendito o homem que confia no SENHOR e cuja esperança é o SENHOR” (Jeremias 17.7). Dessa maneira, é uma maldição confiar mais no homem do que em Deus e é uma bênção esperar no Senhor, apesar das adversidades em que vivemos. Porque então entre a bênção e a maldição somos propensos a escolher aquela em detrimento desta?

Esse problema que Jeremias nos apresenta não está distante daquilo que Moisés recomenda ao povo em que escolher a vida é guardar o mandamento que foi dado, amar o Senhor Deus e andar nos seus caminhos (Deuteronômio 30.16), enquanto, escolher a morte seria desviar o seu coração, não ouvir e, seduzido, adorar outros deuses e os servir (Deuteronômio 30.17). Se não servir ao Senhor, como ele deseja e claramente expressa em sua Palavra, é caminhar para a morte e obedecê-lo é certeza de vida, por que essa inclinação a se escolher a morte e não a vida?

Segundo Jeremias esse procedimento marca a nossa existência. Aquele que coloca a sua confiança no Senhor é comparado a uma árvore plantada junto às águas, que estende as suas raízes para o ribeiro e não receia quando vem o calor, mas a sua folha fica verde; e, no ano de sequidão, não se perturba, nem deixa de dar fruto.(Jeremias 17.8). O Profeta está fazendo uma citação do Salmo 1.3. Nesse Salmo, vemos, também, a comparação entre o justo e o ímpio. Este, por confiar no homem, anda no conselho de outros ímpios, se detém no procedimento dos pecadores e gosta da companhia daqueles que blasfemam contra o Senhor e suas obras. Entretanto, aquele não segue o itinerário esse intinerário, porque tem algo melhor: “antes o seu prazer está na lei do SENHOR, e na sua lei medita de dia e de noite” (Salmo 1.2).

Portanto, se compararmos Jeremias e o Salmo 1, veremos que a diferença entre o justo (aquele que espera no Senhor) e o ímpio (aquele que espera no homem) está no seu prazer, enquanto aquele sente prazer na Palavra, este sente prazer em um procedimento que, se não reprovado pelos homens, não glorifica a Deus. Se o procedimento do ímpio é reprovado por Deus e conduz a um abismo fatal, por que sente prazer na morte e não na vida? Por que alguém pode sentir prazer naquilo que lhe causa mal? Como alguém pode sentir prazer nas drogas, no roubo, na prostituição, etc?

Segundo Charles Leiter, na obra Justificação e Regeneração, afirma que o pecado é universal (tirando Jesus, todos os homens são pecadores independente da idade, raça ou classe social), atinge todas as partes do homem (por isso ninguém pode ser vir a Jesus se não for trazido arrastado – João 6.44), irracional (não existe pecado que seja sábio ou uma boa escolha), enganoso (parece bom a primeira vista, mas é desastroso), endurecedor (quando mais imerso no pecado menos ele o incomoda), escravizador (a grande mentira do pecado é que não se pode viver sem ele), degradante (é capaz de fazer degenerar até o mais distinto dos homens) e pervertido (o pecado não é bonito, mas perverso).

Afinal de onde nasce o pecado? Jesus afirma que do coração do homem, quando explica aos seus discípulos: “do coração do homem procedem os maus pensamentos, homicídios, adultérios, prostituição, furtos, falsos testemunhos e blasfêmias” (Mateus 15.19). Portanto, o problema do homem não é uma questão de mera preferência ou gosto, mas do coração. Jeremias mostra que nosso coração tem características que o inclinam para o mal e não para o bem:

- o coração é enganoso: o termo hebraico עָקֹב (‛âqôb) utilizado aqui transmite a ideia de terreno tortuoso. Dessa maneira o coração do homem é um terreno acidentado em todos os aspectos (não há parte melhor em nosso coração, assim como um pão embolorado está todo embolorado) que faz cair todo aquele que transita por ele;

- o coração é corrupto: o termo hebraico אָנַשׁ ('ânash) utilizado aqui transmite a ideia de doente. O coração humano é incapaz de escolher adequadamente devido a doença que o aflige;

- o coração não pode ser conhecido com intimidade por ninguém senão Deus: ninguém consegue conhecer o coração do homem com profundidade exceto o Senhor que afirma: Eu, o SENHOR, esquadrinho o coração, eu provo os pensamentos; e isto para dar a cada um segundo o seu proceder, segundo o fruto das suas ações.(Jeremias 17.10). Não existe nada velado para Deus. O Salmista nos ensina: “o SENHOR conhece (com intimidade) o caminho dos justos, mas o caminho dos ímpios perecerá” (Salmo 1.6). Dessa maneira, quando colocamos nosso prazer na Lei dEle a cumprimos ou quando somos seduzidos pelo mundo e sua felicidade falsa, Ele de tudo o sabe.

O nosso coração é tão complexo que nem mesmo nós podemos conhecê-lo. Quantas vezes você foi surpreendido fazendo algo que acreditava que jamais faria? Por esse motivo João Calvino, o reformador de Genebra, afirma no primeiro livro das Institutas, o homem jamais chega ao puro conhecimento de si mesmo até que haja antes contemplado a face de Deus, e da visão dele desça a examinar-se a si próprio”.

Quando nosso coração assumiu essas características? Deus o fez assim? Não, a Bíblia diz que “viu Deus tudo quanto fizera (inclusive o coração do homem), e eis que era muito bom.” (Gênesis 1.31). Segundo a Confissão de Westminster: “o homem, em seu estado de inocência, tinha a liberdade e o poder de querer e fazer aquilo que é bom e agradável a Deus, mas mutavelmente, de sorte que pudesse cair dessa liberdade e poder” (IX,2). Dessa maneira, a diferença que temos para com Adão e Eva, antes do pecado, era que eles possuíam livre-arbítrio, ou seja, a possibilidade de escolher algo sem ser inclinado para o bem ou para o mal. Após o pecado de nossos primeiros pais (ao comer o fruto que lhes era proibido, o que chamamos de pecado original) somos sempre inclinados a fazer aquilo que desagrada a Deus.

Jeremias compara o ser humano que possui esse coração enganoso (tortuoso) e corrupto (doente) à perdiz que, segundo lenda da época do profeta tomava ovos que não eram os seus para chocá-los (Jeremias 11.17). O Profeta está mostrando que assim como a perdiz, por razões naturais, choca ovos que não lhe pertencem por que não os consegue distinguir. Guiados pelo coração podemos adorar ao homem no lugar de Deus. Paulo diz aos Romanos: “tendo conhecimento de Deus, não o glorificaram como Deus, nem lhe deram graças; antes, se tornaram nulos em seus próprios raciocínios, obscurecendo-lhes o coração insensato. Inculcando-se por sábios se fizeram loucos”.

Entendamos que até mesmo o mais piedoso dos homens pode ser iludir com falsas promessas humanas, todavia Jeremias não esta falando disso. O propósito do Profeta é mostrar a conduta daquele que confia nos ditames de seu coração. Esse indivíduo adora tanto o homem quanto Deus sem saber a diferença entre eles, por isso, seu procedimento é reprovado. Esse atalaia do Senhor está chamando a atenção do povo que confiava no templo e na lei na mesma proporção que buscava os ídolos pagão, por isso, até as práticas mais piedosas eram inteiramente reprovadas, porque partiam do coração e não da certeza advinda da fé.

Vemos aqui o perigo de ouvirmos conselhos como: “ouça a voz o seu coração” ou “deixe o seu coração guiar suas escolhas”. Nosso coração não tem condições naturais para isso e, poderíamos, assim, dizer como Nana Caymmi: “só louco amou como amei [...] ó insensato coração, porque me fizeste sofrer”. Usar o coração como uma bússola com certeza nos levará para um perigoso desastre. Só a Palavra, iluminada pelo Espírito Santo, pode nos fornecer verdadeira orientação.

Como nosso coração pode ser consertado? Jeremias afirma: Eis aí vêm dias, diz o SENHOR, em que firmarei nova aliança com a casa de Israel e com a casa de Judá. ão conforme a aliança que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito; porquanto eles anularam a minha aliança, não obstante eu os haver desposado, diz o SENHOR. Porque esta é a aliança que firmarei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o SENHOR: Na mente, lhes imprimirei as minhas leis, também no coração lhas inscreverei; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. (Jeremias 31.31-33). Jesus é quem firma essa nova (renovada) aliança em seu sangue (Mateus 26.28; Lucas 22.20; 2Co 3.6).

Portanto, por nós mesmos não temos condições de escolher entre confiar em Deus ou confiar no homem, somos como a perdiz que mal sabe distinguir seus ovos isso é por causa de nosso coração enganoso e corrupto. Contudo Deus conhece nosso coração, enviou-nos seu Filho que nos deu um novo coração, um coração de carne do lugar do coração de pedra que tínhamos, por isso, não nos guiemos pela sabedoria do coração, mas do Senhor.

sábado, 20 de agosto de 2016

O problema das aparências


O problema das aparências


“O SENHOR disse a Samuel: Não atentes para a sua aparência, nem para a sua altura, porque o rejeitei; porque o SENHOR não vê como vê o homem. O homem vê o exterior, porém o SENHOR, o coração” (1Samuel 16.7)



Você já abriu uma embalagem de chocolate e constatou que foi enganado? Obviamente se isso acontecer, você irá reclamar e exigir a troca. O chocolate ele tem uma embalagem envolvente para realçar o produto que já conhecemos e amamos. O mesmo acontece com um abacaxi, uma laranja ou qualquer outra fruta? Quantas vezes você comprou aquela maça igual a que encheu os olhos da Branca de Neve, mas, quando a mordeu, percebeu-a pouca saborosa e até mesmo insossa? Todas as melancias têm o mesmo gosto assim como todos os chocolates de determinada marca? Contudo, em outras ocasiões, você tomou aquela fruta mirrada, com a casca manchada e sentiu uma explosão de sabor e prazer.

Seria muito bom se isso acontecesse apenas no campo das frutas e hortaliças, mas ele é muito grave quando afeta as relações interpessoais. Acreditamos que as aparências traduzem as essências, ou seja, acreditamos que indivíduos bem apessoados são boas pessoas. Todos estamos susceptíveis a esse terrível equívoco, inclusive o piedoso profeta Samuel.

O último Juiz de Israel foi enviado por Deus a casa de Jessé em Belém para ungir o novo rei de Israel. Saul, que ainda estava no trono, havia desobedecido pela segunda vez o Senhor (1Samuel 13.13; 15.9) e, por isso, fora reprovado e perdera a perpetuação de sua família no trono (dinastia). Dessa maneira Jessé manda vir seus filhos diante do profeta que tinha a seguinte orientação: “tu ungiras para mim aquele que Eu te apontar” (1Samuel 16.2), pois entre os filhos dessa cara o Senhor já havia escolhido um rei(1Samuel 16.1).

Quando entrou o filho mais velho de Jessé, Eliabe, também chamado Eliú, entrou na sala o Profeta, ao ver sua altura e aparência pensou estar diante do novo rei de Israel. De fato, ele reunia condições humanas para esse cargo, pois não à toa Davi a o nomeou governador de Judá (1Crônicas 27.18), porque não basta ser capaz deve ter sido escolhido pelo Senhor. Não foi sem motivo que o Senhor escolhera Saul (ou Saulo) para ser o primeiro rei de Israel, sua aparência e estatura sobressaiam a sua timidez e parecia aceitável ao povo (1Samuel 9.2).

Tiago nos alerta para o mesmo engano quando afirma que um rico trajando vestes preciosas (ou resplandecentes) e portando anel de ouro, na aparência, não se diferia daqueles que perceguiam a igreja, a arrastavam pessoas aos tribunais (Tiago 2.2,7-9). O Reformador João Calvino afirma: “quando as pompas do mundo se tornam proeminentes a ponto de encobrir o que Cristo é, torna-se evidente que a fé possui bem pouco valor” (comentário de Tiago 2.1)

Quando nossa visão está condicionada a julgar alguém pela aparência, ou pior, pela cor da pela ou a condição social ou a procedência de alguém (como faz a política de cotas que deve existir apenas como algo temporário) perdemos a oportunidade de apreciarmos o caráter de um indivíduo que está além de sua cor ou condições contingentes. Assim como alguém que foi ter seu coração operado não deveria se importar para a raça, religião ou sexo de seu cirurgião, deveríamos pouco nos importar para as aparências das pessoas.

Quando vamos a Ezequiel 18 (onde o profeta está fazendo uma análise de Deuteronômio 5.9), mesmos que a máxima é: “a alma que pecas essa morrerá”, ou seja, é possível que alguém nasça em um lar totalmente desestruturado e, mesmo assim, porque foi avo, acima de tudo da graça, viver (dentro dos limites possíveis) de maneira íntegra e agradável a Deus por meio de Jesus Cristo.

Deus exorta o profeta mostrando:

1. O que agrada o mundo é rejeitado por Deus

Entenda que Deus não rejeitou Eliabe, irmão de Davi, mas a maneira como o Profeta o via. O Senhor mostrou que aquilo que encheu os olhos de Samuel como a aparência e a altura, não enchiam o Dele. Davi, no Salmo 51.17, mostra que o sacrifício aceitável a Deus e que não será desprezado é o coração contrito (שָׁבַר: despedaçado) e compungido (דָּכָה: esmagado), ou seja, só alguém consciente de sua miséria e incapacidade pode chegar diante do Senhor.

2. Deus não enxerga como nós enxergamos

Samuel aprende que a ótica divina é diferente da humana, pois enquanto nos percebemos jugando as meras e transitórias aparências com uma visão muito míope do todo, ele não vê dessa maneira.

3. Deus vê o coração

O foco de Deus está o coração do homem. Essa informação deve nos consolar, porque sabemos que nossa condição social ou racial ou geográfica não têm valor para Deus, mas o coração, todavia, também, deve nos fazer transbordar de temor, porque não há como fazer médias com Deus, porque ele vê nosso coração.

Dessa maneira, Davi não estava lá, porque era jovem e destinado ao trato das ovelhas, sem estatura, tampouco treinamento militar, veja que não consegue usar a armadura de Saul e prefere lutar com Golias usando pedras e uma lançadeira. Este que, na sua aparência foi tido como insuficiente e rejeitado, inclusive, pelos seus, foi escolhido por Deus como um rei segundo o seu coração. O mesmo aconteceu como o Senhor Jesus Cristo, quando Natanael, ouvindo de Filipe que o Messias viera de Nazaré, o interpela perguntando: “pode haver coisa boa vindo de Nazaré?”.

Cuidado com julgamentos precipitados advindo do juízo das aarências, lembre-se-de que Deus rejeita o que o mundo aprecia, Deus não vê como você vê, porque Ele vê o coração.

Reflexões no Salmo 40: orientações para os dias maus


Reflexões no Salmo 40: orientações para os dias maus


“Esperei confiantemente pelo SENHOR; ele se inclinou para mim e me ouviu quando clamei por socorro. Tirou-me de um poço de perdição, de um tremedal de lama; colocou-me os pés sobre uma rocha e me firmou os passos. E me pôs nos lábios um novo cântico, um hino de louvor ao nosso Deus; muitos verão essas coisas, temerão e confiarão no SENHOR” (Salmo 40.1-3)

O Salmista afirma que estava em um poço de perdição, um tremedal de lama. Se observarmos os dois salmos anteriores, veremos o rei Davi falando de problemas de saúde (Salmo 38.4-8). Não sabemos de nenhum momento, em sua biografia, em que fora afligido por uma enfermidade tão violenta como essa, contudo tanto Davi (o escritor inspirado do Salmo), quando aqueles que editaram essas poesias hebraicas após o exílio babilônico tiveram seus infortúnios, aquele ora em terríveis batalhas contra os filisteus, ora mortalmente perseguido por Saul, ora, por causa de seus pecados, confrontado pela disciplina do Senhor. Estes reconstruindo Jerusalém tendo que com uma das mãos trabalhar como pedreiros e com a outra portar armas para a guerra.

Qual seria o seu tremedal de lama, seu poço de perdição? Uma doença, uma instabilidade financeira, um oscilar nos negócios, um desemprego repentino ou que se arrasta por algum tempo? Obviamente, alguém já lhe disse que suportou males mais atrozes, mas entenda: todos verão suas lutas como mais árduas do que a dos outros. A Bíblia denomina esses eventos com a expressão “dia mau”, quando somos submetidos à “duras provas e momentos críticos da vida quando somos inflexivelmente tentados (Salmo 41.2; 49.5)” (HENDRIKSEN, 1999, p.324). Stott chama esse dia como de especial opressão, aquele momento em que nosso maior medo bate a nossa porta. Contudo o Apóstolo Paulo garante nossa vitória sobre essas adversidades se estivermos apercebidos de toda a armadura de Deus: a verdade, a justiça, o Evangelho da paz, a fé e a Palavra de Deus (Efésios 6.13-17).

Entretanto, quando essas circunstâncias parecem no submergir de tal maneira que não temos como respirar, o que fazer? Como proceder se, qual um nadador distraído, fomos pegos pela ressaca do mar que nos puxa além da força que temos nos braços para lutar contra o rigor das águas ardilosas, que o Senhor cristalizará na glória? Como agir quando estivermos no poço e no tremedal? E mais, como devemos proceder ao sairmos? Não são muitos aqueles que exaltam suas forças e negligenciam o perfeito louvor ao Senhor que os livrou? É fato que se algumas pessoas naufragam nos sofrimentos oferecendo um péssimo testemunho, outros naufragam após o livramento exaltando tudo menos o Senhor.

1. No dia mau, é preciso ESPERAR

O Salmista mostra que, enquanto estamos no dia mau devemos esperar. Calvino traduz esse primeiro versículo de maneira literal “esperando esperei” e melhor diria se dissesse: “ao com força esperar, esperei com força”. As nossas traduções interpretaram essa expressão hebraica adaptando-a a Língua Portuguesa por “esperei confiantemente” (ARA), “esperei com paciência” (NVI), “esperei firmemente” (CNBB). Todas atingem o propósito dessa expressão, ao esperar não podemos fazer outra coisa senão esperar, por isso, nossa esperança, no agir soberano, é uma confissão de confiança, paciência e firmeza. Não há quem sinta prazer nessa tarefa, porque se o excesso de esforço no causa fastio, a ausência dele também. Aos olhos humanos, a esperança é infrutífera (porque não produz nada), impotente (porque ela não pode fazer nada) e ignorante (porque ela não sabe o que acontecerá) (como afirma o Prof. Clóvis de Barros Filho). Contudo a Palavra inspirada, infalível, inerrante, plena e suficiente nos orienta que a fé é é a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem. (Hebreus 11.1).

A tentação que temos ao esperar é de acharmos que o Senhor não agirá e, assim, fazermos as coisas por nossa própria vontade. Quando perdemos de vista o fato de que assim como os céus são mais altos do que a terra, assim os caminhos do Senhor são mais altos do que os nossos caminhos, e da mesma forma que os pensamentos do Criador do que os nossos (Isaías 55.9), estamos susceptíveis a toda sorte de mazelas. Você pode perguntar: por que Deus nos deixa esperar por tanto tempo por algo que nos é tão urgente? Será que o Senhor está alheio a nossa vida ou distraído as nossas necessidades? Saiba que NÃO, porque a Bíblia afirma que ele não dorme nem cochila (Salmo 121.4), tampouco está alheio as suas necessidades, porque, Isaías, falando pelo Espírito Santo, afirma que uma mãe que amamenta pode se esquecer de seu filho, mas Deus jamais se esquecerá de nós, porque nossos nomes estão escritos em suas mãos (Isaías 49.15,16).

Deus se demora em atender nossas necessidades (sempre de maneira responsável) para nos ensinar o valor da oração. O Salmista mostra que, no dia mau, ele clamou ao Senhor (Filipenses 4.6), que se inclinou para ele e ouvi-lo/atende-lo.

2. No dia mau, precisamos CONFIAR QUE NOSSA ORAÇÃO SERÁ RESPONDIDA

A ideia do segundo versículo é que em resposta a oração do Salmista o Senhor promoveu a subida do Salmista do poço em que estava entregue a violência das águas e com risco de morte. Jeremias passou por situação semelhante, pois, por causa de sua fidelidade em expor a disciplina divina que se aproximava, foi jogado em uma cisterna Malquias, filho de Zedequias, o rei, contudo o etíope Ebede-Meleque intercedeu junto ao Rei, que autorizou que fosse resgatado. Muitas vezes, quando estamos imersos no rigor dos problemas, o Senhor levanta pessoas, situações, tratamentos que nos colocam sobre a rocha, ou seja, em lugar seguro, assim como firma os nossos passos, nos permitindo nossa caminhada sem tropeços e inseguranças.

Nesses momentos, somos tentados a louvar os homens e as circuntâncias mais do que ao Senhor, que proveu medicamentos, médicos, pessoas e oportunidades para o nosso bem. Precisamos entender que nem sempre o Senhor age miraculosamente (o que pode fazer em sua soberania), mas nos meios que ele dispôs para agir. Deus poderia tirar o Profeta Jeremias da cisterna de Malquias por anjos, mas utilizar a disposição de Ebede Meleque não o torna inferior no agir, tampouco no amor providente por nós.

Emergimos dos problemas mais insólitos e horríveis, mas não teríamos progredido um milímetro sequer se não fosse o amparo soberano de nosso Deus dispondo as situações ao nosso favor.

O feroz Tentador de nossas almas, nos dias mais sombrios, leva-nos a pensar que nossas orações estão sendo dirigidas ao vácuo e que orar é como conversar com um amigo imaginário, coisa que loucos e crianças fazem. Não seja presa desses pensamentos fatais. No tempo certo o Senhor responderá nossas orações. Algumas vezes dirá sim, como ao Salmista, em outras, dirá espere (como disse a Elias – Tiago 5.17) e, em certas ocasiões, dirá não como fez a Paulo (2Coríntios 12.8,9), mas devemos saber que todas as coisas (o sim, o não e o espere de Deus) cooperam para o bem daquele que o amam (Romanos 8.28), assim como “a súplica do justo pode muito na sua atuação” (Tiago 5.16).

Saibamos que o Senhor controla todas as coisas até mesmo aquelas que nos parecem terríveis, contudo o objetivo do Senhor é fazer que nosso amor por Cristo seja aprofundado. Diante do medo morte devemos reconhecer que nosso lucro maior é Jesus (Filipenses 3.8).

Assim como nos dias em que estamos debilitados pela doença nós és pesaroso comer e beber, igualmente, é fatigante, nos dias de deserto, orar e ler as Escrituras, mas precisaremos fazê-las apesar de nossas disposições para que nossa saúde espiritual não seja afetada.

3. No dia mau, precisamos TESTEMUNHAR

Apesar de no hebraico o adjetivo חָדָשׁ (châdâsh) ser utilizado para coisas inéditas ou reconfiguradas (reformadas), os tradutores do Texto Massorético para o Grego (chamada de Septuaginta – LXX) traduziram esse adjetivo por καινός (kainós), que, diferente de νέος (neós), utilizado apenas para coisas inéditas, é utilizado para mostrar que algo é reconfigurado, novo em espécie, caráter e modo. Dessa maneira, o cântico de louvor, apesar de não se extinguir nos dias adversos pode ser abrandado, porém ganhará mais tons e muitas oitavas a mais nos dias em que o livramento advindo do Senhor se faz evidente.

Não devemos louvar apenas nos grandes livramentos e mostras da providência divina, mas em todas as ocasiões sabendo que todos os benefícios que o Senhor libera sobre o seu povo não o faz como alguma recompensa ou mediante merecimento, mas única e exclusivamente por sua infinita misericórdia, que, pela graça comum, agracia até mesmo injustos e maus (Mateus 5.45). Calvino afirma que “não há benefício divino tão minúsculo que dispense nossos mais elevados louvores; quanto ele mais estende sua mão, porém visando em nos socorrer, mais devemos incitar-nos um fervoroso zelo nesse santo exercício, de modo que nossos cânticos correspondam à grandeza do favor que a nós que por ventura nos tenha sido conferido” (comentando Salmo 40.3)

O Salmista nos ensina que a única atitude que podemos tomar nos dias maus é esperar e orar, tudo o mais sair do tremedal, estar em lugar seguro, ter nossos passos firmados e até mesmo o louvor que sai de nossos lábios dependem do Senhor. Só aqueles que tiveram seus corações abertos pelo Espírito Santo podem reconhecer nas entrelinhas da vida a mão cuidadosa do Criador em sua sábia e precisa providência.

Muitas pessoas que nos viram gemer nas dores, contudo sem esmorecer nosso temor por Deus. Essas pessoas, que julgaram que em um momento veríamos que a fidelidade ao Senhor é um terrível engodo. Entretanto ao nos ver com um cântico reconfigurado irão temer e confiar no Senhor. Cuidado para não se entristecer como aqueles que não têm esperança (1Ts 4.13).

O Pastor Batista John Piper, antes de ser operado de um câncer de próstata, afirmou: “os cristãos nunca se encontram em determinado lugar por acidente”. Paulo e Silas estão em Filipos depois de serem duramente acoitados e tendo seus pés presos de forma dolorosa ao cepo oravam e cantavam hinos a Deus. Eles poderiam se lamentar e murmurar, eles eram tão humanos e pecadores como nós o somos, mas preferiam não desperdiçar a prisão e isso contribuiu a conversão do carcereiro daquele lugar, por isso não disperdiçe sua doença, sua depressão, seu desemprego ou qualquer dificuldade que você tenha enfrentado, mas saiba que até o dia em que entoaremos esse cântico reconfigurado na glória (Apocalipse 5.9-14) cabe a nós que façamos em meio a lutas e perseguições aqui para que desses muitos que nos observam, os quais podem ser nossos vizinhos, amigos, parentes, colegas, etc, se forem eleitos, temam o poder do Senhor e confiem na sua eterna misericórdia. Que Deus o abençoe.